É necessário que o seu navegador tenha o suporte a javascript habilitado para navegar neste site. O que minha avó me contou
  • 00 item(s) - R$ 0,00
Seu carrinho de compras está vazio.
  • O que minha avó me contou

O que minha avó me contou

Retalhos das memórias da minha avó dos anos 1900 a 1930, quando ela imigrou para o Brasil
Autor: Fani Jurowsky
SKU: 7507
Páginas: 63
Avaliação geral:

"O que minha avó me contou" é uma saborosa e comovente narrativa, com fotos e ilustrações, sobre a vida judaica em uma pequena aldeia na Ucrânia no começo do século 20, retratos da família e dos amigos, o cotidiano e o trabalho, as fugas e perigos durante a Primeira Guerra Mundial e a imigração a Brasil em 1930 - histórias contados à autora Fani Jurowsky pela sua avó Babe Guitl.

R$ 38,00 no Cartão
Disponibilidade: Imediata

Descrição

Fani Jurowsky nasceu em Curitiba, Paraná, em 1934, onde os pais Lejzor Dobrowicer e Surke se conheceram e casaram em 1931. A avó Babe Guitl e as filhas Surke e Zisl haviam imigrado da Ucrânia ao Brasil em 1930. O pai também imigrou da Ucrânia no começo dos anos 1920. 


Na infância, Fani mudou com a família para São Paulo e depois para Corinto, em Minas Gerais, onde cursou o primário. De lá os pais a mandaram para São Paulo, e foi aluna interna durante sete anos no Colégio Batista Brasileiro, escola em que completou o curso Normal. Professora formada, foi lecionar no primário da escola Renascença, no bairro do Bom Retiro. Em 1956 casou-se com Arnaldo Jurowsky, engenheiro formado pela Escola Politécnica da USP. Eles se conheceram quando estudavam inglês na União Cultural Brasil-Estados Unidos.

Arnaldo ganhou uma bolsa de estudos para os EUA, onde viveram por dois anos. De volta ao Brasil, tornou-se mãe de Lali e de Mauro, depois fez curso de Administração Hoteleira e voltou a trabalhar como professora de inglês, lecionando por vinte anos na Berlitz.


Fani sempre gostou de ler e de ouvir e contar histórias aos amigos e familiares e aos amigos dos filhos. Sempre foi conhecida por sua agilidade mental e por cultivar o interesse pela vida. Acalentava há anos a ideia de registrar as memórias que sua avó, Babe Guitl, falecida em 1969, lhe relatara, o que agora se tornou possível com a iniciativa e o apoio de Arnaldo e um forte empurrão dos filhos.

 

Livro bilíngue (português e inglês) com pequenas ilustrações. 

Newsletter